Mysterious Answers to Mysterious Questions

De Racionalidade
Ir para: navegação, pesquisa

Original

Imagine looking at your hand, and knowing nothing of cells, nothing of biochemistry, nothing of DNA. You’ve learned some anatomy from dissection, so you know your hand contains muscles; but you don’t know why muscles move instead of lying there like clay. Your hand is just . . . stuff . . . and for some reason it moves under your direction. Is this not magic?

The animal body does not act as a thermodynamic engine . . . consciousness teaches every individual that they are, to some extent, subject to the direction of his will. It appears therefore that animated creatures have the power of immediately applying to certain moving particles of matter within their bodies, forces by which the motions of these particles are directed to produce derived mechanical effects . . . The influence of animal or vegetable life on matter is infinitely beyond the range of any scientific inquiry hitherto entered on. Its power of directing the motions of moving particles, in the demonstrated daily miracle of our human free-will, and in the growth of generation after generation of plants from a single seed, are infinitely different from any possible result of the fortuitous concurrence of atoms . . . Modern biologists were coming once more to the acceptance of something and that was a vital principle.

- Lord Kelvin1

This was the theory of vitalism; that the mysterious difference between living matter and non-living matter was explained by an élan vital or vis vitalis. élan vital infused living matter and caused it to move as consciously directed. élan vital participated in chemical transformations which no mere non-living particles could undergo—Wöhler’s later synthesis of urea, a component of urine, was a major blow to the vitalistic theory because it showed that mere chemistry could duplicate a product of biology.

Calling “élan vital” an explanation, even a fake explanation like phlogiston, is probably giving it too much credit. It functioned primarily as a curiosity-stopper. You said “Why?” and the answer was “Élan vital!”

When you say “Élan vital!,” it feels like you know why your hand moves. You have a little causal diagram in your head that says:

000019.png

But actually you know nothing you didn’t know before. You don’t know, say, whether your hand will generate heat or absorb heat, unless you have observed the fact already; if not, you won’t be able to predict it in advance. Your curiosity feels sated, but it hasn’t been fed. Since you can say “Why? Élan vital!” to any possible observation, it is equally good at explaining all outcomes, a disguised hypothesis of maximum entropy, et cetera.

But the greater lesson lies in the vitalists’ reverence for the élan vital, their eagerness to pronounce it a mystery beyond all science. Meeting the great dragon Unknown, the vitalists did not draw their swords to do battle, but bowed their necks in submission. They took pride in their ignorance, made biology into a sacred mystery, and thereby became loath to relinquish their ignorance when evidence came knocking.

The Secret of Life was infinitely beyond the reach of science! Not just a little beyond, mind you, but infinitely beyond! Lord Kelvin sure did get a tremendous emotional kick out of not knowing something.

But ignorance exists in the map, not in the territory. If I am ignorant about a phenomenon, that is a fact about my own state of mind, not a fact about the phenomenon itself. A phenomenon can seem mysterious to some particular person. There are no phenomena which are mysterious of themselves. To worship a phenomenon because it seems so wonderfully mysterious is to worship your own ignorance.

Vitalism shared with phlogiston the error of encapsulating the mystery as a substance. Fire was mysterious, and the phlogiston theory encapsulated the mystery in a mysterious substance called “phlogiston.” Life was a sacred mystery, and vitalism encapsulated the sacred mystery in a mysterious substance called “élan vital.” Neither answer helped concentrate the model’s probability density—make some outcomes easier to explain than others. The “explanation” just wrapped up the question as a small, hard, opaque black ball.

In a comedy written by Moliére, a physician explains the power of a soporific by saying that it contains a “dormitive potency.” Same principle. It is a failure of human psychology that, faced with a mysterious phenomenon, we more readily postulate mysterious inherent substances than complex underlying processes.

But the deeper failure is supposing that an answer can be mysterious. If a phenomenon feels mysterious, that is a fact about our state of knowledge, not a fact about the phenomenon itself. The vitalists saw a mysterious gap in their knowledge, and postulated a mysterious stuff that plugged the gap. In doing so, they mixed up the map with the territory. All confusion and bewilderment exist in the mind, not in encapsulated substances.

This is the ultimate and fully general explanation for why, again and again in humanity’s history, people are shocked to discover that an incredibly mysterious question has a non-mysterious answer. Mystery is a property of questions, not answers.

Therefore I call theories such as vitalism mysterious answers to mysterious questions.

These are the signs of mysterious answers to mysterious questions:

  • First, the explanation acts as a curiosity-stopper rather than an anticipation-controller.
  • Second, the hypothesis has no moving parts—the model is not a specific complex mechanism, but a blankly solid substance or force. The mysterious substance or mysterious force may be said to be here or there, to cause this or that; but the reason why the mysterious force behaves thus is wrapped in a blank unity.
  • Third, those who proffer the explanation cherish their ignorance; they speak proudly of how the phenomenon defeats ordinary science or is unlike merely mundane phenomena.
  • Fourth, even after the answer is given, the phenomenon is still a mystery and possesses the same quality of wonderful inexplicability that it had at the start.

http://lesswrong.com/lw/iu/mysterious_answers_to_mysterious_questions/

Footnotes

1. Silvanus Phillips Thompson, The Life of Lord Kelvin (American Mathematical Society, 2005).

Respostas Misteriosas a Perguntas Misteriosas

Imagine olhar para a sua mão, e não saber nada de células, nada de bioquímica, nada de DNA. Você aprendeu alguma anatomia através de dissecação, então você sabe que sua mão contém músculos; mas você não sabe por que os músculos se movem ao invés de ficarem ali parados, como massa de modelar. Sua mão é apenas uma... coisa... e por algum motivo ela se move sob seu comando. Isso não é mágica?

O corpo do animal não atua como um motor termodinâmico... a consciência ensina a cada indivíduo que eles são, em certa medida, sujeitos ao govero de sua própria vontade. Parece, portanto, que as criaturas animadas têm o poder de aplicar imediatamente a certas partículas móveis da matéria dentro de seus corpos as forças através das quais os movimentos destas partículas são direcionados para a produção de efeitos mecânicos derivados... A influência da vida animal ou vegetal sobre a matéria está infinitamente além do alcance de qualquer investigação científica que já foi feita até hoje. Seu poder de dirigir os movimentos de partículas que se movem, no milagre diário demonstrado por nosso livre-arbítrio humano, e no crescimento de geração após geração de plantas a partir de uma única semente, são infinitamente diferente de qualquer resultado possível da simultaneidade fortuita de átomos... Os biólogos modernos estavam mais uma vez vindo a aceitar algo, e este era um princípio vital.

- Lorde Kelvin[1]

Esta era a teoria do vitalismo; em que a diferença misteriosa entre a matéria viva e a não-viva era explicada por um élan vital ou vis vitalis. Élan vital infundia-se à matéria viva e a fazia se mover como conscientemente dirigida. Élan vital participava de transformações químicas que nenhuma mera partícula não-viva poderia sofrer - a posterior síntese da uréia, um componente da urina, por Wöhler, foi um grande golpe para a teoria vitalista, porque mostrou que a mera química poderia duplicar um produto da biologia.

Considerar "élan vital" uma explicação, mesmo que uma explicação falsa como a teoria do flogisto, é, provavelmente, dar-lhe crédito demais. Funcionava primariamente como sinal de parada da curiosidade. Você dizia "Por quê?" e a resposta era "Élan vital!"

Quando você diz "Élan vital!," você se sente como se soubesse por que sua mão se move. Você tem um pequeno diagrama causal em sua cabeça que diz:

000019.png

Mas, na verdade, você não sabe nada que você não sabia antes. Você não sabe, por exemplo, se a sua mão vai gerar calor ou absorver o calor, a menos que você já tenha observado o fato; se não, você não vai ser capaz de prever com antecedência. A sua curiosidade se sente saciada, mas sem ter sido alimentada. Já que você pode dizer: "Por quê? Élan vital!" para qualquer observação possível, ela é igualmente boa para explicar qualquer resultado, uma hipótese de máxima entropia disfaçada, etc.

Mas a maior lição encontra-se na reverência dos vitalistas para com o élan vital, sua ânsia de pronunciá-lo um mistério além de toda a ciência. Ao encontrar o grande dragão Desconhecido, os vitalistas não desembainhavam suas espadas para a batalha, mas curvavam seus pescoços em submissão. Eles tinham orgulho de sua ignorância, fizeram da biologia um sagrado mistério, e, assim, tornaram-se relutantes em abrir mão de sua ignorância quando as evidências bateram à porta.

O segredo da vida estava infinitamente além do alcance da ciência! Não apenas um pouco além, queira você, mas infinitamente além! Lord Kelvin com certeza tinha um tremendo prazer em não saber alguma coisa.

Mas a ignorância existe no mapa, não no território. Se eu sou ignorante sobre um fenômeno, este é um fato sobre o meu próprio estado mental, não sobre o fenômeno em si. Um fenômeno pode parecer misterioso para alguma pessoa em particular. Não há fenômenos que são misteriosos por si mesmos. Adorar um fenômeno, porque parece tão maravilhosamente misterioso, é adorar a sua própria ignorância.

O vitalismo compartilha com o flogisto o erro de encapsular o mistério como uma substância. O fogo era misterioso, e a teoria do flogisto encapsulava o mistério em uma substância misteriosa chamada "flogisto." A vida era um mistério sagrado, e o vitalismo encapsulava o mistério sagrado em uma substância misteriosa chamada de "élan vital". Nenhuma das respostas ajudava a concentrar a densidade de probabilidade do modelo — fazer alguns resultados serem mais fáceis de explicar do que outros. A "explicação" apenas embalava a questão como uma pequena bola preta, dura e opaca.

Em uma comédia escrita por Molière, um médico explica o poder de um soporífero, dizendo que ele contém uma "potência dormitiva." O mesmo princípio. É uma falha da psicologia humana que, diante de um fenômeno misterioso, nós mais prontamente postulamos misteriosas substâncias inerentes do que processos subjacentes complexos.

Mas a falha mais profunda é supor que uma resposta possa ser misteriosa. Se um fenômeno parece misterioso, isso é um fato sobre o nosso estado de conhecimento, não um fato sobre o fenômeno em si. Os vitalistas viram uma lacuna misteriosa em seu conhecimento, e postularam uma coisa misteriosa que tampava a lacuna. Ao fazer isso, eles misturaram o mapa com o território. Toda a confusão e perplexidade existem na mente, não em substâncias encapsuladas.

Esta é a explicação definitiva e completamente geral de por que, vez após vez na história da humanidade, as pessoas ficam chocadas ao descobrir que uma pergunta incrivelmente misteriosa tem uma resposta não-misteriosa. Mistério é uma propriedade de perguntas, não de respostas.

Por isso eu chamo teorias como o Vitalismo de respostas misteriosas a perguntas misteriosas .

Estes são os sinais de respostas misteriosas às perguntas misteriosas:

  • Em primeiro lugar, a explicação atua como um sinal de parada da curiosidade, em vez de um controlador de antecipação.
  • Em segundo lugar, a hipótese não tem partes móveis — o modelo não é um mecanismo complexo específico, mas uma substância ou força vagamente sólidas. Pode-se dizer que a substância ou força misteriosa está aqui ou ali, que ela causa isto ou aquilo; mas a razão por que a força misteriosa se ​​comporta assim é embalada em uma unidade vazia.
  • Em terceiro lugar, aqueles que proferem a explicação valorizam sua ignorância; eles falam com orgulho de como o fenômeno derrota a ciência ordinária ou é diferente de fenômenos meramente mundanos.
  • Em quarto lugar, mesmo depois de dada a resposta, o fenômeno ainda é um mistério e possui a mesma qualidade de maravilhosa inexplicabilidade que tinha no início.

http://lesswrong.com/lw/iu/mysterious_answers_to_mysterious_questions/

Notas de Rodapé

  1. Silvanus Phillips Thompson, The Life of Lord Kelvin (American Mathematical Society, 2005).