A Fable of Science and Politics

De Racionalidade
Ir para: navegação, pesquisa

Original

In the time of the Roman Empire, civic life was divided between the Blue and Green factions. The Blues and the Greens murdered each other in single combats, in ambushes, in group battles, in riots. Procopius said of the warring factions: “So there grows up in them against their fellow men a hostility which has no cause, and at no time does it cease or disappear, for it gives place neither to the ties of marriage nor of relationship nor of friendship, and the case is the same even though those who differ with respect to these colors be brothers or any other kin.”1 Edward Gibbon wrote: “The support of a faction became necessary to every candidate for civil or ecclesiastical honors.”2

Who were the Blues and the Greens? They were sports fans—the partisans of the blue and green chariot-racing teams.

Imagine a future society that flees into a vast underground network of caverns and seals the entrances. We shall not specify whether they flee disease, war, or radiation; we shall suppose the first Undergrounders manage to grow food, find water, recycle air, make light, and survive, and that their descendants thrive and eventually form cities. Of the world above, there are only legends written on scraps of paper; and one of these scraps of paper describes the sky, a vast open space of air above a great unbounded floor. The sky is cerulean in color, and contains strange floating objects like enormous tufts of white cotton. But the meaning of the word “cerulean” is controversial; some say that it refers to the color known as “blue,” and others that it refers to the color known as “green.”

In the early days of the underground society, the Blues and Greens contested with open violence; but today, truce prevails—a peace born of a growing sense of pointlessness. Cultural mores have changed; there is a large and prosperous middle class that has grown up with effective law enforcement and become unaccustomed to violence. The schools provide some sense of historical perspective; how long the battle between Blues and Greens continued, how many died, how little changed as a result. Minds have been laid open to the strange new philosophy that people are people, whether they be Blue or Green.

The conflict has not vanished. Society is still divided along Blue and Green lines, and there is a “Blue” and a “Green” position on almost every contemporary issue of political or cultural importance. The Blues advocate taxes on individual incomes, the Greens advocate taxes on merchant sales; the Blues advocate stricter marriage laws, while the Greens wish to make it easier to obtain divorces; the Blues take their support from the heart of city areas, while the more distant farmers and watersellers tend to be Green; the Blues believe that the Earth is a huge spherical rock at the center of the universe, the Greens that it is a huge flat rock circling some other object called a Sun. Not every Blue or every Green citizen takes the “Blue” or “Green” position on every issue, but it would be rare to find a city merchant who believed the sky was blue, and yet advocated an individual tax and freer marriage laws.

The Underground is still polarized; an uneasy peace. A few folk genuinely think that Blues and Greens should be friends, and it is now common for a Green to patronize a Blue shop, or for a Blue to visit a Green tavern. Yet from a truce originally born of exhaustion, there is a quietly growing spirit of tolerance, even friendship.

One day, the Underground is shaken by a minor earthquake. A sightseeing party of six is caught in the tremblor while looking at the ruins of ancient dwellings in the upper caverns. They feel the brief movement of the rock under their feet, and one of the tourists trips and scrapes her knee. The party decides to turn back, fearing further earthquakes. On their way back, one person catches a whiff of something strange in the air, a scent coming from a long-unused passageway. Ignoring the well-meant cautions of fellow travellers, the person borrows a powered lantern and walks into the passageway. The stone corridor wends upward . . . and upward . . . and finally terminates in a hole carved out of the world, a place where all stone ends. Distance, endless distance, stretches away into forever; a gathering space to hold a thousand cities. Unimaginably far above, too bright to look at directly, a searing spark casts light over all visible space, the naked filament of some huge light bulb. In the air, hanging unsupported, are great incomprehensible tufts of white cotton. And the vast glowing ceiling above . . . the color . . . is . . .

Now history branches, depending on which member of the sightseeing party decided to follow the corridor to the surface.

Aditya the Blue stood under the blue forever, and slowly smiled. It was not a pleasant smile. There was hatred, and wounded pride; it recalled every argument she’d ever had with a Green, every rivalry, every contested promotion. “You were right all along,” the sky whispered down at her, “and now you can prove it.” For a moment Aditya stood there, absorbing the message, glorying in it, and then she turned back to the stone corridor to tell the world. As Aditya walked, she curled her hand into a clenched fist. “The truce,” she said, “is over.”

Barron the Green stared incomprehendingly at the chaos of colors for long seconds. Understanding, when it came, drove a pile-driver punch into the pit of his stomach. Tears started from his eyes. Barron thought of the Massacre of Cathay, where a Blue army had massacred every citizen of a Green town, including children; he thought of the ancient Blue general, Annas Rell, who had declared Greens “a pit of disease; a pestilence to be cleansed”; he thought of the glints of hatred he’d seen in Blue eyes and something inside him cracked. “How can you be on their side?” Barron screamed at the sky, and then he began to weep; because he knew, standing under the malevolent blue glare, that the universe had always been a place of evil.

Charles the Blue considered the blue ceiling, taken aback. As a professor in a mixed college, Charles had carefully emphasized that Blue and Green viewpoints were equally valid and deserving of tolerance: The sky was a metaphysical construct, and cerulean a color that could be seen in more than one way. Briefly, Charles wondered whether a Green, standing in this place, might not see a green ceiling above; or if perhaps the ceiling would be green at this time tomorrow; but he couldn’t stake the continued survival of civilization on that. This was merely a natural phenomenon of some kind, having nothing to do with moral philosophy or society . . . but one that might be readily misinterpreted, Charles feared. Charles sighed, and turned to go back into the corridor. Tomorrow he would come back alone and block off the passageway.

Daria, once Green, tried to breathe amid the ashes of her world. I will not flinch, Daria told herself, I will not look away. She had been Green all her life, and now she must be Blue. Her friends, her family, would turn from her. Speak the truth, even if your voice trembles, her father had told her; but her father was dead now, and her mother would never understand. Daria stared down the calm blue gaze of the sky, trying to accept it, and finally her breathing quietened. I was wrong, she said to herself mournfully; it’s not so complicated, after all. She would find new friends, and perhaps her family would forgive her . . . or, she wondered with a tinge of hope, rise to this same test, standing underneath this same sky? “The sky is blue,” Daria said experimentally, and nothing dire happened to her; but she couldn’t bring herself to smile. Daria the Blue exhaled sadly, and went back into the world, wondering what she would say.

Eddin, a Green, looked up at the blue sky and began to laugh cynically. The course of his world’s history came clear at last; even he couldn’t believe they’d been such fools. “Stupid,” Eddin said, “stupid, stupid, and all the time it was right here.” Hatred, murders, wars, and all along it was just a thing somewhere, that someone had written about like they’d write about any other thing. No poetry, no beauty, nothing that any sane person would ever care about, just one pointless thing that had been blown out of all proportion. Eddin leaned against the cave mouth wearily, trying to think of a way to prevent this information from blowing up the world, and wondering if they didn’t all deserve it.

Ferris gasped involuntarily, frozen by sheer wonder and delight. Ferris’s eyes darted hungrily about, fastening on each sight in turn before moving reluctantly to the next; the blue sky, the white clouds, the vast unknown outside, full of places and things (and people?) that no Undergrounder had ever seen. “Oh, so that’s what color it is,” Ferris said, and went exploring.

http://lesswrong.com/lw/gt/a_fable_of_science_and_politics/


Footnotes

1. Procopius, History of the Wars, ed. Henry B. Dewing, vol. 1 (Harvard University Press, 1914).

2. Edward Gibbon, The History of the Decline and Fall of the Roman Empire, vol. 4 (J. & J. Harper, 1829).

Uma fábula sobre ciência e política

Na época do Império Romano, a vida civil era dividida entre as facções Azul e Verde. Os Azuis e os Verdes matavam uns aos outros em duelos, em emboscadas, em confrontos grupais, em revoltas. Procopius disse sobre as duas facções: “E cresce entre eles contra seus companheiros uma hostilidade que não tem causa, e em momento algum cessa ou desaparece, pois não dá lugar nem aos laços de casamento nem de relacionamento nem de amizade, e a situação é mesma ainda quando aqueles que diferem a respeito das cores são irmãos ou parentes de qualquer tipo”[1]. Edward Gibbon escreveu: “Apoiar uma das facções se tornou necessário para qualquer candidato a honras civis ou eclesiásticas”[2].

Quem eram os Azuis e Verdes? Eram fãs de esportes – os partidários dos times azul e verde de corrida de bigas.

Imagine uma sociedade futura que foge para uma vasta rede de cavernas subterrâneas e sela todas as entradas. Não importa se fugiram de doença, guerra ou radiação; vamos supor que os primeiros Subterráqueos consigam cultivar comida, encontrar água, reciclar ar, fazer luz e sobreviver, que seus descendentes prosperem e eventualmente formem cidades. Do mundo acima, sobram apenas lendas escritas em pedaços de papel; e um desses pedaçõs de papel descreve o céu, um vasto espaço aberto de ar sobre um enorme chão sem limites. A cor do céu é o cerúleo, e nele flutuam objetos que parecem enormes tufos de algodão. Mas o significado da palavra “cerúleo” é controverso; alguns dizem que se refere à cor conhecida como “azul”, enquanto outros acham que se refere à cor conhecida como “verde”.

No começo da sociedade subterrânea, os Azuis e Verdes disputavam com violência explícita; mas, atualmente, estão em trégua – uma paz surgida de um crescente senso de falta de sentido. Os costumes mudaram; há uma extensa e própera classe média que cresceu com uma aplicação eficiente do direito e desacostumou-se com a violência. As escolas proporcionam alguma noção de perspectiva histórica; quanto tempo já dura a disputa entre Azuis e Verdes, quantos morreram, quão pouco a sociedade mudou como resultado disso. As pessoas têm a mente mais aberta a essa estranha nova filosofia de que pessoas são pessoas, independente de serem Azuis ou Verdes.

O conflito não desapareceu. A sociedade ainda se divide entre Azuis e Verdes, e há uma posição “Azul” e uma posição “Verde” sobre quase todas as questões políticas e culturais relevantes. Os Azuis defendem impostos sobre a renda dos indivíduos, enquanto os Verdes defendem tributos sobre as vendas mercantis; os Azuis advogam por regras mais severas sobre o casamento, enquanto os Verdes buscam tornar mais fácil obter o divórcio; os Azuis são apoiados principalmente por moradores dos centros urbanos, enquanto os fazendeiros mais distantes e os vendedores de água tendem a ser Verdes; os Azuis acreditam que a Terra é uma enorme rocha esférica no centro do universo, os Verdes acham que é uma grande rocha achatada circulando um outro objeto chamado de Sol. Nem todo cidadão Azul ou Verde concorda com a posição “Azul” ou “Verde” em todas as questões, mas é raro encontrar um vendedor na cidade que acredite que o céu é azul, mas defende tributos individuais e leis mais liberais sobre casamento.

O Subterrâneo ainda é polarizado; é uma paz inquieta. Alguns realmente acham que Azuis e Verdes deveriam ser amigos, e hoje é comum um Verde financiar a loja de um Azul ou um Azul visitar um bar Verde. De uma trégua nascida da exaustão, surge um crescente espírito de tolerância, e mesmo amizade.

Um dia, o Subterrâneo é atingido por um leve terremoto. Um grupo de seis turistas é pego pelo tremor enquanto visitava as ruínas das antigas moradias nas cavernas mais acima. Eles sentem o movimento da rocha sob seus pés, e um dos turistas cai e machuca o joelho. O grupo decide voltar, temendo novos terremotos. No caminho de volta, um deles sente algo estranho no ar, um cheiro que vem de uma passagem há muito não utilizada. Ignorando os avisos bem-intencionados dos outros turistas, a pessoa pega uma das lanternas e segue pela passagem. O corredor de pedra avança para cima... e para cima... e termina, por fim, em um buraco para fora do mundo, um lugar em que toda a rocha termina. Distância, distância interminável em todas as direções; um espaço capaz de abrigar mil cidades. Inimaginavelmente longínqua, pairando acima, brilhante demais para olhar diretamente, uma centelha escaldante lança luz por todo o espaço visível, o filamento exposto de uma lâmpada gigante. No ar, pairando sem suporte, há grandes tufos incompreensíveis de algodão branco. E o grande teto brilhante acima... a cor... é...

E agora a história se divide, dependendo de qual membro do grupo decidiu seguir o corredor até a superfície.

Aditya a Azul parou sob o azul eterno e, lentamente, sorriu. Não era um sorriso agradável. Havia ódio, e o orgulho ferido; era uma lembrança de todas as discussões que ela já tivera com um Verde, cada rivalidade, cada promoção disputada. “Você estava certa o tempo todo,” o céu suspirava para ela, “E agora você pode provar”. Por um momento, Aditya ficou ali, parada, absorvendo a mensagem, sentindo a glória, e então voltou-se para o corredor para contar ao mundo. Enquanto andava, Aditya fechou as mãos com raiva. “A trégua”, disse, “acabou”.

Barron o Verde olhou sem entender para o caos de cores por vários segundos. A compreensão, quando veio, atingiu-o como um soco na boca do estômago. Lágrimas surgiram em seus olhos. Barron pensou no Massacre de Cathay, em que um exército Azul havia massacrado todos os habitantes de uma cidade Verde, incluindo as crianças; ele pensou no velho general Azul, Annas Rell, que declarara que os Verdes eram “um poço de doenças; uma peste a ser erradicada”; ele pensou nas fagulhas de ódio que vira em olhos Azuis e algo se partiu dentro dele. “Como você pode estar do lado deles?” gritou Barron para o céu, e chorou; pois sabia, parado sob o olhar azul malévolo, que o universo era, desde sempre, um lugar do mal.

Charles o Azul avaliou o teto azul, pego de surpresa. Como professor em uma universidade mista, Charles enfatizava cuidadosamente que os pontos de vista de Azuis e Verdes eram igualmente válidos e mereciam tolerância: o céu era uma construção metafísica e o cerúleo era uma cor que podia ser vista de várias formas. Por alguns momentos, Charles imaginou se um Verde, parado em seu lugar, não veria um teto verde acima; ou se, talvez, o teto poderia estar verde no dia seguinte; mas ele não podia apostar o destino da civilização nisso. O céu era só algum tipo de fenômeno natural, que nada tinha a ver com filosofia moral ou com a sociedade... mas, Charles temia, era algo que podia, muito facilmente, ser mal interpretado. Ele suspirou e virou-se para voltar ao corredor. Amanhã ele voltará sozinho e fechará a passagem.

Daria, agora ex-Verde, tentava respirar em meio às cinzas de seu mundo. Eu não vou me esquivar, disse a si mesma, Eu não vou desviar o olhar. Ela fora Verde a vida toda, e agora precisava ser Azul. Seus amigos, sua família, iriam lhe dar as costas. Diga a verdade, ainda que sua voz trema, dizia seu pai; mas ele estava morto, e sua mãe jamais entenderia. Daria contemplou a calma luz azul do céu, tentando aceitar, e finalmente sua respiração se acalmou. Eu estava errada, disse com pesar, não é tão complicado assim, no fim das contas. Ela encontraria novos amigos, e talvez sua família a perdoasse... ou, pensou com um pingo de esperança, talvez ascendessem à altura desse mesmo desafio, sob esse mesmo céu? “O céu é azul”, Daria disse, testando, e nada de ruim aconteceu; mas ela não conseguia sorrir. Daria a Azul expirou, triste, e voltou para dentro do mundo, tentando decidir o que dizer.

Eddin, um Verde, olhou para o céu azul e começou a rir cinicamente. O curso da história de seu mundo ficou claro, enfim; ele não conseguia acreditar como tinham sido tolos. “Estúpido”, Eddin disse, “estúpido, estúpido, e o tempo todo estava bem aqui”. Ódio, morte, guerras, e o tempo todo era só uma coisa em algum lugar, sobre a qual alguém tinha escrito, como escreviam sobre qualquer outra coisa. Nada de poesia, nada de beleza, nada com que alguém jamais fosse se importar, só uma coisa inútil aumentada desproporcionalmente. Eddin se apoiou na boca da caverna, tentando imaginar algum jeito de evitar que essa informação explodisse o mundo e pensando que talvez fosse isso mesmo que eles mereciam.

Ferris suspirou sem querer, paralisada de pura admiração e deleite. Seus olhos disparavam, famintos, por toda a parte, parando em cada visão antes de prosseguir relutantemente para a próxima; o céu azul, as nuvens brancas, o vasto exterior desconhecido, repleto de lugares e coisas (e pessoas?) que nenhum Subterráqueo jamais vira. “Oh, então é dessa cor”, disse Ferris, e saiu para explorar.

http://lesswrong.com/lw/gt/a_fable_of_science_and_politics/


Notas de Rodapé

  1. Procopius, History of the Wars, ed. Henry B. Dewing, vol. 1 (Harvard University Press, 1914).
  2. Edward Gibbon, The History of the Decline and Fall of the Roman Empire, vol. 4 (J. & J. Harper, 1829).